Mergulhei na literatura de Franz Cecim. Nela encontrei Andara – o mundo de fábula e letargia do escritor paraense. Cheguei neste espaço imaginado a convite do seu conterrâneo, o compositor e genial pesquisador Dr. Valério Fiel da Costa.

O resultado do meu mergulho foram duas videoinstalções imersivas exibidas durante o Conexões Sonoras. Foquei nas imagens enquanto Valério compunha uma peça para 6 mãos e muitos instrumentos.

O filme “Prólogo de Susto” (cujas imagens estão na fotocomposição acima) é uma resposta visual à linguagem singularíssima de Cecim que equilibra poesia, fábula e romance. Trechos do livro foram selecionados e, a partir deles, criei uma sequência capaz de apresentar gradativamente ANDARA, a cidade ficcional. A atmosfera onírica do escritor precisava ser materializada em cores, formas, cenas e planos. Escolhi como locação principal a cidade de Paranapiacaba para criar visualmente a força surreal dos livros.

 

Foram 4 horas de captura de imagem. Além da cidade, suas vielas, personagens e texturas, utilizei como matéria-prima a natureza encontrada em praças de São Paulo como metáfora ao que Cecim denomina de “sabedoria vegetal”. A textura do corpo humano ampliada e com cores vibrantes acrescentou à narrativa organicidade. A união de cenas da cidade na névoa (Paranapiacaba) + corpo + natureza + trechos da obra de Cecim foi explorada na edição com composições visuais que buscaram ora o estranhamento, ora a sobreposição. O resultado são quase trinta minutos de filme criado especialmente para ser projetado em caráter imersivo, isto é, o público é convidado a observar o espaço. Por isto o filme foi projetado em espelhamento com dois projetores disparados ao mesmo tempo. Para ampliar a sensação de sucessão temporal criei um filme intitulado Céu de Cecim, que foi projetado entre as duas telas de Um Prologo de Susto. O Céu de Cecim ‘e um filme de 30 minutos de duração em que se sucedem cenas do noite ao amanhecer.